Zambelli pede uma CPI contra STF e TSE após Jordy ser alvo de operação

A deputada federal Carla Zambelli (PL-SP) pediu a abertura de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) nesta quinta-feira (18) no Congresso para investigar o suposto “abuso de autoridade” do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A declaração ocorreu após a Polícia Federal realizar uma operação que teve o deputado Carlos Jordy (PL-RJ) como alvo de busca e apreensão.

O objetivo da investigação é identificar pessoas envolvidas nos atos golpistas de 8 de janeiro.

Contra Jordy, a PF cumpriu mandados de buscas expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no gabinete do parlamentar na Câmara dos Deputados e em um endereço ligado a ele no interior do Rio de Janeiro.

Segundo Zambelli, ela enviou seis pedidos de impeachments para os ministros do STF, mas foram negados pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

“O Senado, por meio de seu presidente Rodrigo Pacheco, se omite e causa dano irreparável ao país, quando deixa de apreciar e pautar pedidos de impeachment que versam sobre o abuso de autoridade de ministros do nosso Supremo Tribunal (somente eu já apresentei 6) e votar pautas e projetos importantes para combater essa ditadura que se transformou o nosso país, descumprindo sua função constitucional”, afirmou a deputada.

Para a parlamentar, a operação cotra Jordy mostra o “abuso de poder” do Judiciário ao expedir buscas e apreensões “em casas de pessoas honestas, pelo fato de serem oposicionistas a esse desgoverno”.

“A Justiça no Brasil tem lado, não usa vendas e o fiel da sua balança está em flagrante desequilíbrio”, disse Zambelli.

Ainda na quinta-feira, Jordy prestou depoimento após ser alvo da 24ª fase da Operação Lesa Pátria.

Aos jornalistas, Jordy atacou a investigação e disse negou ter envolvimento com os atos antidemocráticos. Ele ainda afirmou não ter tido acesso aos autos dos processos que envolvem os ataques de 8 de janeiro.

“Nunca incentivei, nunca financiei, não tenho relação alguma com o 8 de janeiro, não tenho relação alguma com ninguém dessas pessoas foram para os quartéis generais. Eles falam que há mensagens minhas com pessoas, que eu seria um mentor, um articulador do 8 de janeiro e de estradas. Mentira, mentira. Eu nunca tive acesso a nenhum desses autos [de processos]”.

Deixe comentário

× Fale com a Showtime