Servidores querem que diretor-geral defenda a Abin

A Abin (Agência Brasileira de Inteligência) enfrenta um clima de insatisfação entre seus servidores em relação à postura do diretor-geral, Luiz Fernando Corrêa, sobre as investigações da Polícia Federal relacionadas a uma suposta espionagem no órgão.

De acordo com fontes internas, os servidores acreditam que Corrêa não tem defendido adequadamente a agência diante das críticas recebidas da imprensa e da classe política.

Um dos principais pontos de discordância dos servidores diz respeito à acusação de que alguns membros da Abin teriam atrapalhado as investigações da Polícia Federal.

Segundo relatos, a agência lida com milhares de informações, muitas delas sigilosas, e a orientação é repassá-las de forma criteriosa para a PF, visando preservar a segurança nacional. Nesse sentido, os servidores consideram injusta a imagem de que eles teriam intencionalmente prejudicado as investigações.

No entanto, há quem admita que possa ter havido indivíduos interessados em prejudicar o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e favorecer o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL-RJ).

Diante dessa situação delicada, os servidores clamam por uma intervenção mais contundente de Luiz Fernando Corrêa, solicitando que ele se manifeste publicamente e peça que não haja generalizações que possam estigmatizar toda a Abin.

A preocupação dos servidores é que a falta de uma defesa robusta da agência possa levar à sua marginalização perante a opinião pública e à descredibilização de seu trabalho.

Nesse contexto, eles esperam que o diretor-geral assuma uma posição mais proativa e transparente, garantindo que a Abin seja tratada com respeito.

Deixe comentário

× Fale com a Showtime