Brasil registra o menor número de mortalidade infantil e fetal por causas evitáveis desde 1996

O Brasil registrou no ano passado o menor número de mortalidade infantil e fetal por causas evitáveis nos últimos 28 anos. O levantamento exclusivo do R7, por meio do painel de monitoramento do Ministério da Saúde, mostra que houve 20,2 mil mortes de bebês até um ano de idade em 2023, 61,9% a menos do que as 53,1 mil de 1996, quando começou o monitoramento.

Os dados do ano passado são preliminares, mas indicam o menor registro dos últimos 28 anos. Desde a década de 1990, os índices estão em queda, reduzindo gradativamente ao longo dos anos.

Os números motram que os estados que registraram mais casos em 2023 foram:
• São Paulo (3.757);
• Bahia (1.615);
• Minas Gerais (1.576);
• Rio de Janeiro (1.554);
• Pará (1.252); e
• Pernambuco (965).

Segundo o manual de vigilância do Ministério, os índices são importantes porque revelam as condições de desenvolvimento socioeconômico e infraestrutura, além do acesso e a qualidade dos recursos disponíveis para a atenção à saúde materna e da população infantil.

Desde o começo desta semana, a reportagem pede um posicionamento do Ministério sobre as ações realizadas para a redução da mortalidade infantil. No entanto, até a publicação desta reportagem, não houve resposta.

Mortalidade materna também reduziu
No mesmo caminho de redução está a mortalidade materna de mulheres em idade fértil (até 49 anos). O índice apresentou o menor número desde 2020. Nos últimos três anos, os dados caíram de 71,8 mil mortes para 62,6 mil no ano passado.

Veja estados que mais registraram ocorrências em 2023:
• São Paulo: 12.899;
• Minas Gerais: 5.820;
• Rio de Janeiro: 5.799;
• Bahia: 5.014;
• Paraná: 3.344;
• Rio Grande do Sul: 3.140;
• Pernambuco: 2.984;
• Pará: 2.648;
• Ceará: 2.639; e
• Maranhão: 2049.

Deixe comentário

× Fale com a Showtime